O futuro ministro do Brasil, Paulo Guedes, durante coletiva nesta semana, no Rio de Janeiro (Foto: Mauro Pimentel / AFP)
O futuro ministro do Brasil, Paulo Guedes, durante coletiva nesta semana, no Rio de Janeiro (Foto: Mauro Pimentel / AFP)

Hoje o dólar está a R$ 3,7. Se for assim, dentro de dois meses a desvalorização da moeda brasileira será de 30 por cento

Para o futuro ministro da Fazenda do Brasil, Paulo Guedes, já está claro qual será provavelmente o valor do dólar quando tomar posse.

Para ele “será ótimo que chegue a R$ 5”.

Foi o que disse em um encontro, nesta semana, com a imprensa, na porta da casa do empresário Paulo Marinho, amigo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Guedes comentou, nessa mesma linha, que “se chegar a R$ 5, eu venderei US$ 100 bilhões das reservas”.

Isso indica que a decisão de intervir nos mercados de câmbio, para evitar desvalorizações, só começará a operar a partir desse valor.

Essa medida terá, sem dúvida, repercussões na região. Cada movimento desse tipo da economia brasileira pesa muito nos países vizinhos.

Se pensarmos que o dólar está hoje a R$ 3,7, a desvalorização seria de 30% em um espaço de tempo de dois meses, quando o presidente eleito tomar posse, em 1° de janeiro de 2019.

Paulo Guedes falou sobre o câmbio. (Foto: O Globo/GDA)
Paulo Guedes falou sobre o câmbio. (Foto: O Globo/GDA)

– Mas o que há na verdade sobre a venda de US$ 100 bilhões das reservas?, perguntou um jornalista brasileiro.

– Falou-se em uma possível venda de US$ 100 bilhões das reservas, levando em consideração que o Brasil tem quase US$ 400 bilhões. Eu falei assim com a equipe de governo: como é preciso ter um regime fiscal robusto, não existe a necessidade de carregar tantas reservas porque é muito caro mantê-las, custa muito. Porque quando entra dinheiro de fora, você acumula reservas e emite reais. Depois você tem que emitir dívida interna para esterilizar o efeito dessa emissão de dinheiro pelos dólares que entraram de fora. Essa dívida tem um custo que é de R$ 400 bilhões por ano (US$ 100 bilhões).

“Então, o que eu falei? Que se essa crise se aprofundar, e eu disse quando o dólar tinha chegado a R$ 4,10, que se chegasse a R$ 5, será muito interessante porque vamos vender US$ 100 bilhões de reservas a R$ 5. Isso nos dá R$ 500 bilhões. Nesse mesmo momento em que vendemos as reservas vamos comprar dívida interna. É uma política conhecida que se chama esterilização”, disse o futuro ministro.

De acordo com sua visão da economia, “se chegar a R$ 5, eu vendo as reservas e reduzo a dívida de R$ 4 trilhões (US$ 1 bilhão) para R$ 3,5 trilhões. E depois continuo com a minha vida. Isso já é um ajuste fiscal em si. É claro que isso seria em um cenário de crise especulativa. Se acontecer essa crise, não tenho nenhum medo. Podem vir (os investidores) e podem especular. Não tenho medo. Vai ser ótimo que o dólar chegue a R$ 5, porque vou reduzir dramaticamente a dívida interna. Vamos vender dólares a quem quiser comprá-los. Vamos vender bastante e depois reduzir a dívida interna (em 14%)”.

Guedes continuou descrevendo seus projetos, ao defender que não tem “uma meta para o câmbio” para o futuro. Isso será avaliado, então, em cada circunstância. Para ele a venda das reservas aponta a corrigir o objetivo fiscal: “Vamos reduzir dramaticamente a dívida interna”, afirmou.

Eleonora Gosman

Dejar respuesta

Please enter your comment!
Please enter your name here